13.1.09

Batata

Um Salve e um Viva à

Rainha maior das Américas perdidas

Com esforço conquistou o mundo

E agora todos se curvam, sem rebeldia

Beijam a terra e cantam suas glórias

Como o ar que se respira

És o alento de toda a humanidade

De tantas formas pode ser comida

E sua força se mostra quando,

Por baixo da neve ou do sol

Cresce sua raiz nutritiva

Alimentando a alma e a barriga

É, pois, a mãe dos pobres e da burguesia

Sozinha resplandece delicada e doce

Se transforma de tantas formas e

Abraça com ternura as carnes, as folhas

Já foi marginalizada, quanta injustiça!

Sem que soubessem que dentro de seu

Humilde semblante, se esconde o elixir da vida

Sem ti uma parte da História não seria escrita

E o mundo sucumbiria sem a tua existência

Nem a revolução francesa, nem a guerra

dos cem dias]

E seríamos ainda hoje, órfãos de suas delicias.

2 comentários:

henry disse...

Ainda escreve muito bem... ah, e nunca tinha visto uma batata a partir deste ponto de vista.

erick bandeira disse...

voce realmente gosta de comida heim!! ha ha